Comerciantes e personagens de Ipanema guardam memória do bairro

O pôr-do-sol visto de Ipanema; paisagem inspira diariamente – Guito Moreto 19-03-2016 / Agência O Globo

RIO — Não existe história sem gente. Em Ipanema não poderia ser diferente. O bairro carrega em suas esquinas e areias pessoas e histórias que fazem parte da memória afetiva dos moradores e visitantes. Como falar de Ipanema sem mencionar, por exemplo, a Mulher de Branco? Anamaria Carvalho, hoje com 68 anos, ganhou fama quando passou a desfilar exclusivamente de branco pelas ruas do bairro.

Em um dia de sol na Rua Vinicius de Moraes, a jovem, então eleita musa da bossa nova e ex-mulher do compositor Marcos Valle, costumava caminhar imersa em seu universo. Essas e muitas histórias do passado, como a da amizade com o vizinho Tom Jobim, são hoje contadas pela andarilha num bate-papo sobre vida e fama carregado de lucidez e distante dos habituais monólogos que lhe deram fama:

— Eu passei por muitas experiências. Ainda bem, porque eu sou graduada na vida, não sou principiante. Em relação à fama, eu sou blasé, nunca corri atrás, nasci famosa — diverte-se.

Adda Di Guimarães, dona da banca de revistas A Cena Muda, que reúne peças de décadas passadas na Praça Nossa Senhora da Paz, guarda muitas memórias de uma Ipanema de outros tempos.

— Adoro o meu trabalho e vou continuar trabalhando com isso sempre — diz Adda.

Carlos Alberto Afonso, dono da lendária Toca do Vinícius, na Vinicius de Moraes 129, também tem muito a dizer sobre as décadas passadas, especialmente se tiverem entre os protagonistas o lendário Poetinha, uma das figuras mais famosas nas redondezas. A quem pergunta sobre como Afonso consegue manter a Toca vendendo discos e CDs, artigos pouco procurados na era digital, ele responde que o foco do espaço é educativo e cultural. Eventos são realizados na calçada, reunindo um público ávido por boa música.

Há ainda aquelas figuras que trabalham na praia e conquistam os clientes com simpatia e talento. É o caso de Milton Gonzalez, criador do famoso sanduíche do uruguaio. O vendedor, que ganhou a alcunha de Uruguaio, é grato por poder trabalhar na areia de Ipanema:

— A praia é um dos locais mais democráticos que existem. Eu adoro esse bairro, conheci muita gente da música, do futebol, intelectuais. É maravilhoso — elogia.

Professores também são lembrados por muitos. Alexandre Pretão, presidente do Favela Surf Clube e instrutor particular do esporte, já foi até personagem do livro “Arpoador, meu amor”, da jornalista Beth Ritto. Em um períodos de férias, ele chega a reunir 200 crianças das comunidades do entorno na praia. Lá, elas aprendem a surfar e se tornam campeãs na vida.

Já Beto Potyguara, professor de academia há 20 anos no bairro, conhece de perto a rotina de exercícios físicos de muitos moradores. Hoje na Bodytech, ele acompanha gerações de cariocas do charmoso bairro preocupadas com a saúde e a boa forma. O GLOBO-Zona Sul reuniu um pouco das histórias de cada um deles.

Milton Gonzalez

Milton Gonzalez, criador do sanduíche do uruguaio – Hermes de Paula / Agência O Globo

O clique de Milton Gonzalez em um momento de folga é raro. O Uruguaio é responsável por um dos quitutes mais famosos de Ipanema. Há 30 anos no Posto 9, o “sanduíche do Uruguaio” é só sucesso. Entres os recheios figuram deliciosas carnes e um molho especial. Gonzalez, que veio para o Brasil após enfrentar uma ditadura em seu país, fez de Ipanema o reduto para seu talento.

— Sou um “urioca”. Uma mistura de uruguaio com carioca — brinca o vendedor.

Adda Di Guimarães

Adda Di Guimarães em frente à banca de revistas A cena Muda, em Ipanema. – Amanda Prado / O Globo

Nem tudo o que está exposto é artigo à venda: esta é uma das regras básicas para quem se encanta com os objetos da banca A Cena Muda, na Praça Nossa Senhora da Paz. Os brinquedos da vitrine externa e uma estante de caixas de modelos variados vivem recebendo ofertas de dinheiro, mas só mesmo as revistas antigas e os discos estão disponíveis para compra.

— Eu compro tudo o que eu acho interessante, porque sei que tem coisa que nunca mais vou ver — conta Adda, que tem clientes ilustres como Evandro Teixeira e Luís Fernando Verissimo.

BETO POTYGUARA

Professor Beto Potyguara, da Bodytech de Ipanema, durante aula na academia – Gianne Carvalho / Divulgação

Figura famosa quando o assunto é ginástica na Zona Sul, o professor Beto Potyguara, de 54 anos, já dedica mais de 20 dos seus 32 anos de atividade profissional às academias de Ipanema.

— Tenho filhas de ex-alunos que fazem aula comigo hoje. Às vezes chegam mãe e filha juntas numa aula. É o maior bar ato — vibra Potyguara, que bate ponto nas unidades da Bodytech das ruas Visconde de Pirajá e Barão da Torre, todos os dias.

Carlos Albeto Afonso

Carlos Alberto Afonso. Toca do Vinícius. Ipanema. – Amanda Prado / Agência O Globo

Quase todo fim de tarde é a mesma coisa: crianças da vizinhança entram aos pulos na Toca do Vinícius, na Vinicius de Moraes, para dar um beijo em Carlos Alberto Afonso, o dono, que desde 1993 cuida do estabelecimento conhecido pelos amantes da bossa nova. O espaço é mais do que uma loja de CDs e discos antigos, diz ele: é um espaço cultural que mistura livraria, museu e sala de aula.

— Aqui, a atividade comercial não é o fim. Não seria viável. Meu objetivo é político, social e cultural — diz Afonso.

Be the first to comment

Leave a Reply

Seu e-mail não será publicado.


*