Museu do Amanhã lança versão online do jogo Humano do Amanhã

Você estaria disposto a espalhar uma fake news para beneficiar a si próprio? Esta é uma das perguntas da versão online e reduzida do jogo Humano do Amanhã, que acaba de ser lançada pelo Museu do Amanhã, com patrocínio da EY. A atualização com novos temas e personagens servirá de inspiração para uma renovação da edição já existente na exposição principal do museu. O game possibilita o jogador a descobrir, de forma divertida, qual é o seu perfil em um mundo conectado com as tendências do futuro. Para jogar, acesse:

 

foto
Reprodução

Ao responder sete questionamentos com as opções “sim”, “não” ou “talvez”, o público poderá descobrir qual dos nove personagens propostos pelo jogo tem mais a ver com seu perfil. Entre eles está o “cientista topa tudo”, interessado por inovações, e o “bicho-preguiça à moda antiga”, que confia apenas naquilo que consegue enxergar. Cada personagem é inspirado nas tendências de comportamento dos próximos anos e o temperado é determinado pelo nível de sociabilidade de coletividade do jogador. É possível, ainda, contribuir para melhorias no game ao responder a uma rápida pesquisa ao final da experiência.

Sobre o Museu do Amanhã

O Museu do Amanhã é um museu de ciências aplicadas que explora as oportunidades e os desafios que a humanidade terá de enfrentar nas próximas décadas a partir das perspectivas da sustentabilidade e da convivência. Inaugurado em dezembro de 2015 pela Prefeitura do Rio, é um equipamento cultural da Secretaria Municipal de Cultura, que opera sob gestão do Instituto de Desenvolvimento e Gestão (IDG). Exemplo bem-sucedido de parceria entre o poder público e a iniciativa privada, o Museu já recebeu mais de 4 milhões de visitantes e conta com o Banco Santander como patrocinador máster, a Shell Brasil como mantenedora e uma ampla rede de patrocinadores que inclui IBM, Engie, Globo e Lojas Americanas, além do apoio de B3, EMS, EY, Booking.com, Carrefour e CSN. O Museu foi originalmente concebido pela Fundação Roberto Marinho.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*